Início > EDUCARE

BRASIL

USP lança ao mar novo navio de pesquisa oceanográfica

O novo navio de pesquisa oceanográfica da Universidade de São Paulo (USP) foi lançado ao mar no dia 30 em Santos. Baptizado de Alpha Crucis, a embarcação vem substituir o antigo navio de pesquisa, Professor Besnard, utilizado de 1967 a 2008, quando foi desactivado devido a um incêndio.

PORTO DO RIO GRANDE, BRASIL

Projecto Escola no Porto deve atender dez mil visitantes em 2012

O Projecto Escola no Porto, que possibilita a visita ao ambiente portuário, pretende atender este ano cerca de dez mil visitantes. Em 2011, o Porto do Rio Grande recebeu mais de 7 mil pessoas entre estudantes, universitários, técnicos e turistas. O porto desperta o interesse de gaúchos de diversas cidades do Rio Grande do Sul e de grupos de outros locais do Brasil.

BRASIL

USP vai implantar centro de pesquisas no Porto de Santos

A Universidade de São Paulo (USP) vai instalar-se no Porto de Santos, o principal da América Latina. Representantes da instituição receberam da Prefeitura de Santos termo de cessão de uso da área do armazém 8, há muito tempo em ruínas. A USP vai utilizar a área, localizada no bairro portuário do Valongo, para implantar um centro de pesquisas. A base será implantada no navio oceanográfico Alpha Crucis.

Conheça o Projecto Fishmetrics

O projecto FISHMETRICS consiste num processo integrado para a amostragem dos tamanhos do pescado desembarcado em lotas baseado na aquisição automática e processamento biométrico computorizado de imagens digitais. Trata-se de uma metodologia inovadora que permite a obtenção de medidas do pescado desembarcado, informação esta que é indispensável para a avaliação do estado de exploração dos recursos marinhos.

AMÍLCAR SOARES, DO IST, NA TSF

As plataformas offshore

Amílcar Soares, professor no Instituto Superior Técnico (Lisboa, Portugal), fala das plataformas offshore no programa "Mundo Novo", da TSF.
Mundo Novo abre a porta à história dos inventos que mudaram o mundo e daqueles que estão a alterar o curso da História, aos projectos em curso nas universidades portuguesas, à inovação e à ciência.

Alunos da angolana UNICARGAS no Porto de Aveiro

A cinco de Dezembro, cinco colaboradores da empresa angolana de transportes Unicargas realizaram uma visita ao Porto de Aveiro.
A deslocação permitiu-lhes conhecer todos os terminais do Porto de Aveiro, o seu Departamento de Pilotagem e o Centro de Controlo de Tráfego Marítimo.

Expedição «TARA OCEANS»

Depois de dois anos e meio ao redor do mundo a Expedição Tara Oceans regressou a França. Na bagagem muitas amostras colectadas, importantes dados científicos. Muitos lugares visitados, amizades e uma rede de trabalho que permanece viva.
 

A importância dos canais artificiais para a navegação

Os primeiros canais de navegação foram construídos antes da invenção dos caminhos de ferro, tendo-se tornado o embrião da integração modal. O primeiro canal artificial foi o Grande Canal da China no século VI; na Europa, o Navíglio Grande ligou Milão ao Mar Adriático no século XI e em França o Canal de Briare em 1642.

HOJE E DIA 23, NO RIO E EM SÃO PAULO

Defesas de Mestrado em Direito Marítimo e do Pré-Sal abertas ao público

A Fundação Getúlio Vargas (fgv), no Rio de Janeiro, e a Pontifícia Universidade Católica (PUC), em São Paulo, convidam os interessados a assistirem às bancas de Mestrado em Direito que decorrem hoje e no próximo dia 23 de Março, nas duas cidades. As dissertações tratam de temas relevantes para o desenvolvimento do pré-sal e dos sectores marítimo e portuário, entre os quais a formação de magistrados e bandeiras de conveniência. A entrada é livre aos interessados.

Profissões portuárias

São tantas as profissões portuárias quanto a idade das primeiras embarcações. Facto que impulsionou o SETTAPORT a pesquisar os fundamentos e necessidades destas profissões, com o objectivo de mostrar à sociedade quais os profissionais que actuam num porto e nas agências marítimas de navegação.

COMEÇA HOJE | PORTUGAL

Universidade Católica do Porto ensina a melhorar as relações comerciais com a China

Os processos de internacionalização e a negociação a nível internacional implicam, sem excepção, o conhecimento aprofundado dos mercados de destino, para aprender e apreender todo o tipo de hábitos e condutas intrínsecos às culturas desses países. Estas necessidades tornam-se ainda mais prementes quando se trata da China, uma vez que qualquer transacção de natureza económica ou comercial representa, a nível sócio-antropológico, uma actividade de natureza transcultural. A pensar em todos estes factores, e a par da forte presença chinesa actualmente em Portugal, a Escola de Direito da Católica Porto criou um Curso de História da China e Pensamento Económico Chinês, que arranca hoje, 24 de Janeiro.

Português estuda influência das vagas de frio na biodiversidade marinha

No início de 2010, o nordeste do continente americano foi atacado por uma vaga de frio extremo. O investigador português João Canning Clode, que na altura estava a fazer pós-doc no Smithsonian Environmental Research Center, quis saber até que ponto esta vaga de frio afectarias as espécies marinhas, nomeadamente as que têm viajado das Caraíbas para o norte devido ao aquecimento das águas (fenómeno chamado de ‘Caribbean Creep’).

ESTA QUINTA-FEIRA, NO PORTO

«A procura de um novo destino: imigrantes portugueses no Paraná na segunda metade do século XIX»

A apresentação do trabalho da Prof. Doutora Roseli Boschilia: "A procura de um novo destino: imigrantes portugueses no Paraná na segunda metade do século XIX", decorre esta quinta-feira, dia 12 de Janeiro, no edifico de Pós-Graduações da Universidade Lusíada do Porto (Portugal), pelas 18h30. A entrada, como habitualmente, é gratuita.

PONTO DE INTERROGAÇÃO

O que diz o Tratado da Antártica de 1959?

O que diz ele? Em primeiro lugar, que nenhum Estado renuncia ao direito de soberania que entenda que tenha sobre a Antártica. Os Estados entendem que a Antártica deve ser usada somente para fins pacíficos, para fins de pesquisa científica, sendo proibido qualquer tipo de manobra militar na região, qualquer exploração de recursos vivos e minerais. Então as partes se reúnem periodicamente, para trocar experiências sobre a pesquisa, sobre os diferentes interesses que tenham sobre o continente.

PONTO DE INTERROGAÇÃO

Qual o conceito de navio?

Qual o conceito de navio? Está na Convenção de Montego Bay sobre Direito do Mar. Em 1958 começaram as primeiras codificações em Genebra. Foram quatro: uma sobre o mar territorial e a zona contígua, uma sobre o alto mar, uma sobre a conservação dos recursos vivos do alto mar, e uma sobre a plataforma continental. Na convenção de Montego Bay de 1982, grande parte das convenções foram absorvidas e disciplinadas. Muitos Estados não ratificaram a Convenção de Montego Bay, como os Estados Unidos. Para esses Estados, então, aplicam-se as regras das convenções de Genebra de 1958 e também o Direito Costumeiro.

PONTO DE INTERROGAÇÃO

O que são águas interiores?

O que são águas interiores? Pensamos logo em rios, lagos, cachoeiras... Nada disso é água interior. Na verdade, elas são águas do mar. Os rios e lagos têm disciplina jurídica à parte. Águas interiores são águas do mar que ficam aquém da linha de base do mar territorial. Vamos definir o que é linha de base do mar territorial.

 

As bandeiras de conveniência

Se as potências mundiais fossem definidas pela quantidade de registos dos seus navios, de certeza absoluta que o pequeno Panamá e a destruída e pobre Libéria seriam hoje países do chamado "primeiro mundo", pois é muito comum vermos em qualquer porto a predominância de navios arvorando bandeiras destes dois países em grande quantidade.
 

PONTO DE INTERROGAÇÃO

Porque é que a água do mar é mais salgada em alguns dias do que noutros?

Porque é que a água do mar é mais salgada em alguns dias do que noutros? A Marinha responde a esta pergunta, em dossier da revista "Sábado". Leia a resposta aqui.

DE 9 A 12 DE NOVEMBRO, NO PORTO | PORTUGAL

IV Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica (IVSLBCH)

Depois do Rio de Janeiro (2005), Lisboa (2007) e Ouro Preto (2009), será a vez da cidade e da Universidade do Porto receberem o IV Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica, que congregará investigadores, docentes e estudantes empenhados no conhecimento, estudo e divulgação da Cartografia histórica, que se reúnem de dois em dois anos, alternadamente, no Brasil e em Portugal.

MAR GRÁFICO

Peixe-aranha

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XIII Congresso da APLOP | Ireneu Camacho | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Eneida Gomes | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Gonçalves | APDL

 XIII Congresso da APLOP | Ricardo Roque | A Marca APLOP – Novos Caminhos

 XIII Congresso da APLOP | António Santos | Estudo de Mercado dos Portos dos PALOP

 XIII Congresso da APLOP | Dinis Manuel Alves

 XIII Congresso da APLOP | Segundo período de debate

 XIII Congresso da APLOP | Debate

 XIII Congresso da APLOP | Apresentação do Painel 1

 Encerramento do XIII Congresso da APLOP

 XIII Congresso da APLOP | José Renato Ribas Fialho | ANTAQ

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Ireneu Camacho

 XIII Congresso da APLOP | José Luís Cacho

 XIII Congresso da APLOP | Massoxi Bernardo | Porto de Luanda

 XIII Congresso da APLOP | Francisco Martins | Porto de Suape

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Murillo Barbosa

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Abraão Vicente

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Jucelino Cardoso

 XIII Congresso da APLOP | Belmar da Costa | Curso de Introdução ao Shipping

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Piedade | Zona Franca do Dande

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família