Início > Artigo > Redução do enxofre nos combustíveis marinhos tem um efeito perverso



Redução do enxofre nos combustíveis marinhos tem um efeito perverso


Os combustíveis marinhos mais limpos que as novas regras internacionais imporão a partir de 2020 e que a indústria do transporte marítimo se prepara para adoptar representarão benefícios para a saúde pública, mas não serão necessariamente vantajosos para o ambiente, concluiu um estudo recente da Universidade de Delaware, os Estados Unidos.

Tal como tem vindo a ser amplamente divulgado e já está previsto, a partir de 2020, a Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla inglesa) vai implementar a obrigação de uso de combustíveis marinhos com um teor de enxofre não superior a 0,5%. Essa medida vai representar inegáveis benefícios em termos de saúde pública, na medida em que reduz a poluição atmosférica.

No que ao transporte marítimo diz respeito, a poluição atmosférica que provoca incide essencialmente nas áreas com maior tráfego marítimo e próximo de comunidades mais densamente povoadas, designadamente, a China, Singapura, Panamá, Brasil e linhas costeiras da Ásia, África e América do Sul.

No trabalho da Universidade do Delaware, adianta-se que a mudança nos combustíveis marinhos significará uma redução para metade dos casos de asma infantil que lhe estão associados. E que a poluição atmosférica provocada pelos navios contribui para 400 mil mortes prematuras associadas ao cancro do pulmão e a doenças cardiovasculares, que poderão ser reduzidas em um terço com a adopção dos novos combustíveis.

O que o estudo vem também dizer é que estes benefícios têm um reverso. Conforme ali se explica, as emissões de dióxido de enxofre dos navios criam pequenas partículas, que reflectem a luz solar e ajudam a formar nuvens mais brilhantes, criando um efeito global que diminui temporariamente os efeitos do C02 no aquecimento global. Sem as emissões de enxofre e respectivas partículas, perde-se essa redução temporária do efeito de estufa e o seu contributo para a diminuição do aquecimento global.

fonte


>

 



Data: 2018-02-08

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XIII Congresso da APLOP | Ireneu Camacho | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Eneida Gomes | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Gonçalves | APDL

 XIII Congresso da APLOP | Ricardo Roque | A Marca APLOP – Novos Caminhos

 XIII Congresso da APLOP | António Santos | Estudo de Mercado dos Portos dos PALOP

 XIII Congresso da APLOP | Dinis Manuel Alves

 XIII Congresso da APLOP | Segundo período de debate

 XIII Congresso da APLOP | Debate

 XIII Congresso da APLOP | Apresentação do Painel 1

 Encerramento do XIII Congresso da APLOP

 XIII Congresso da APLOP | José Renato Ribas Fialho | ANTAQ

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Ireneu Camacho

 XIII Congresso da APLOP | José Luís Cacho

 XIII Congresso da APLOP | Massoxi Bernardo | Porto de Luanda

 XIII Congresso da APLOP | Francisco Martins | Porto de Suape

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Murillo Barbosa

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Abraão Vicente

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Jucelino Cardoso

 XIII Congresso da APLOP | Belmar da Costa | Curso de Introdução ao Shipping

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Piedade | Zona Franca do Dande

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família