Início > Artigo > A 4 mil metros de profundidade está a bactéria que absorve CO2



A 4 mil metros de profundidade está a bactéria que absorve CO2


Afinal, há mais do que peixes mortos e plâncton na Zona de Fractura Clarion-Clipperton, a 4 mil metros de profundidade. Existe uma bactéria que, além de absorver o dióxido de carbono (CO2), serve posteriormente de alimento à vida marinha na zona, segundo vários meios de comunicação internacional.

Descobertas pelo professor Andrew K. Sweetman, da Universidade Heriot-Watt de Edimburgo, no Reino Unido, no Atlântico Norte, estas bactérias são “os organismos importantes que consomem detritos orgânicos que flutuam em direcção ao fundo do oceano”, explica o próprio.

“Também descobrimos que as bactérias bêntonicas absorvem grandes quantidades de dióxido de carbono e assimilam-no na sua biomassa por meio de um processo desconhecido. O que foi completamente inesperado”, reflectiu o professor, explicando porque é que a biomassa das bactérias se torna uma fonte de alimento para outros animais marinhos, na zona mais profunda onde pensavam não existir alimento.

“Se ampliarmos os resultados a um nível de oceano global, as nossas descobertas revelam que neste processo, por ano, introduzem-se na biomassa 200 milhões de toneladas de CO2. O que equivale a aproximadamente 10% do CO2 que os oceanos absorvem por ano, portanto, é possivelmente uma parte importante do ciclo de carbono das águas profundas”, conclui Andrew K. Sweetman.

No entanto, estes processos correm o risco de perpetuarem a mineração nestas águas profundas, afectando todo o ambiente do fundo do mar e estragando os ecossistemas bêntonicos por décadas. O professor deixa um apelo à Autoridade Internacional de Fundos Marinhos, para garantir que se “estudam esses processos em pesquisas de base, avaliações de impacto e monitorização, para que mudanças relacionadas com a mineração neste processo do ecossistema possam ser identificadas e investigadas”.

Com este estudo, confirmou-se igualmente as desconfianças dos sul-coreanos, dos alemães e ingleses, que já suspeitavam que as profundezas do oceano guardariam grandes quantidades de nódulos polimetálicos, pedras ricas em níquel, cobre e cobalto, essenciais para o fabrico de equipamentos.

fonte


 



Data: 2018-12-10

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XIII Congresso da APLOP | Ireneu Camacho | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Eneida Gomes | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Gonçalves | APDL

 XIII Congresso da APLOP | Ricardo Roque | A Marca APLOP – Novos Caminhos

 XIII Congresso da APLOP | António Santos | Estudo de Mercado dos Portos dos PALOP

 XIII Congresso da APLOP | Dinis Manuel Alves

 XIII Congresso da APLOP | Segundo período de debate

 XIII Congresso da APLOP | Debate

 XIII Congresso da APLOP | Apresentação do Painel 1

 Encerramento do XIII Congresso da APLOP

 XIII Congresso da APLOP | José Renato Ribas Fialho | ANTAQ

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Ireneu Camacho

 XIII Congresso da APLOP | José Luís Cacho

 XIII Congresso da APLOP | Massoxi Bernardo | Porto de Luanda

 XIII Congresso da APLOP | Francisco Martins | Porto de Suape

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Murillo Barbosa

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Abraão Vicente

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Jucelino Cardoso

 XIII Congresso da APLOP | Belmar da Costa | Curso de Introdução ao Shipping

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Piedade | Zona Franca do Dande

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)