Início > Artigo > Cientistas identificam a região com o ar mais limpo à face da Terra



Cientistas identificam a região com o ar mais limpo à face da Terra


Uma equipa de cientistas da Universidade Estadual do Colorado (EUA) identificou a região atmosférica que possui o ar mais limpo à face da Terra.

Os especialistas, liderados pela professora Sonia Kreidenweis, descobriram que a camada limite do ar que alimenta as nuvens mais baixas sobre o Oceano Antártico permanece quase totalmente inalterado pela atividade Humana, conta o portal Tech Explorist.

O ar desta região é prístino, quase totalmente livre de partículas poluentes resultantes de atividades antropogénicas ou transportadas de outras regiões distantes, detalharam os cientistas na nova investigação, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica especializada Proceedings of the National Academy of Sciences.

Partindo do pressuposto que o ar que está sobre o remoto Oceano Antártico seria um dos menos afetados pela atividade humanos, os cientistas levaram a cabo esta investigação para descobrir os compostos que estavam no ar e qual a sua origem.

“Conseguimos utilizar as bactérias existentes no ar sobre o Oceano Antártico como uma ferramenta de diagnóstico para inferir as principais propriedades da atmosfera mais baixa”, começou por explicar Thomas Hill, co-autor do estudo, citado em comunicado.

Através deste método, continuou, “[descobrimos], por exemplo, que os aerossóis que controlam as propriedades das nuvens do Oceano Antártico estão fortemente ligados aos processos biológicos oceânicos e que a Antártida parece estar isolada da dispersão de micro-organismos para sul (…).

“Globalmente, [a nossa investigação] sugere que o Oceano Antártico é um dos poucos lugares à face da Terra que foi minimamente afetado por atividade antropogénicas”.

O facto de o ar encontrado ser tão limpo acabou por “prejudicar” os objetivos desta investigação – afinal, havia muito pouco para analisar. “O ar sobre o Oceano Antártico estava tão limpo que havia muito pouco ADN para trabalhar”, escreveram os cientistas.

ZAP //


 



Data: 2020-06-12

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XIII Congresso da APLOP | Ireneu Camacho | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Eneida Gomes | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Gonçalves | APDL

 XIII Congresso da APLOP | Ricardo Roque | A Marca APLOP – Novos Caminhos

 XIII Congresso da APLOP | António Santos | Estudo de Mercado dos Portos dos PALOP

 XIII Congresso da APLOP | Dinis Manuel Alves

 XIII Congresso da APLOP | Segundo período de debate

 XIII Congresso da APLOP | Debate

 XIII Congresso da APLOP | Apresentação do Painel 1

 Encerramento do XIII Congresso da APLOP

 XIII Congresso da APLOP | José Renato Ribas Fialho | ANTAQ

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Ireneu Camacho

 XIII Congresso da APLOP | José Luís Cacho

 XIII Congresso da APLOP | Massoxi Bernardo | Porto de Luanda

 XIII Congresso da APLOP | Francisco Martins | Porto de Suape

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Murillo Barbosa

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Abraão Vicente

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Jucelino Cardoso

 XIII Congresso da APLOP | Belmar da Costa | Curso de Introdução ao Shipping

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Piedade | Zona Franca do Dande

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)