Início > Artigo > Vikings fizeram um barco numa caverna vulcânica para evitar o fim do mundo



VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Vikings fizeram um barco numa caverna vulcânica para evitar o fim do mundo


Arqueólogos descobriram alguns artefactos raros do Médio Oriente numa caverna islandesa, que os Vikings associavam a Ragnarök, uma série de eventos da mitologia nórdica que conduziria ao fim do mundo.

De acordo com o site Live Science, a caverna está localizada perto de um vulcão que entrou em erupção há quase 1.100 anos, altura em que os Vikings colonizaram a Islândia.

O trabalho dos investigadores mostra que, depois de a lava ter arrefecido, os Vikings entraram na caverna e construíram uma estrutura em forma de barco feita de rochas. Dentro dela, teriam queimado ossos de animais, incluindo de ovelhas, cabras, vacas, cavalos e porcos, como um sacrifício.
Perto desta estrutura, os arqueólogos encontraram 63 contas, três das quais vieram do Iraque, disse Kevin Smith, vice-diretor e curador-chefe do Museu de Antropologia Haffenreffer da Universidade Brown, nos Estados Unidos, que lidera a equipa responsável pela escavação da caverna.

A equipa também encontrou restos de auripigmento, um mineral do leste da Turquia que era usado naquela época para decorar objetos. Poucos exemplos foram encontrados na Escandinávia, por isso, “encontrá-lo dentro desta caverna foi um choque”, disse Smith.

Registos históricos indicam que os Vikings associavam esta caverna a Surt, um gigante da mitologia nórdica que seria responsável por causar uma série de eventos que conduziria ao fim do mundo, conhecida como Ragnarök.

Segundo o mesmo site, os cientistas acham que os Vikings deixaram estes artefactos dentro da caverna para “acalmar” Surt, na esperança de que este desistisse da ideia de destruir o mundo. Outra possibilidade é que serviriam para fortalecer Frey, um deus da fertilidade que lutou contra este gigante. Na história sobre Ragnarök, Frey morre a lutar contra Surt e não consegue impedir o fim do mundo.

O estudo foi publicado, no início de março, na revista científica Journal of Archaeological Science.

ZAP //


>

 



Data: 2021-04-28

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XIII Congresso da APLOP | Ireneu Camacho | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Eneida Gomes | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Gonçalves | APDL

 XIII Congresso da APLOP | Ricardo Roque | A Marca APLOP – Novos Caminhos

 XIII Congresso da APLOP | António Santos | Estudo de Mercado dos Portos dos PALOP

 XIII Congresso da APLOP | Dinis Manuel Alves

 XIII Congresso da APLOP | Segundo período de debate

 XIII Congresso da APLOP | Debate

 XIII Congresso da APLOP | Apresentação do Painel 1

 Encerramento do XIII Congresso da APLOP

 XIII Congresso da APLOP | José Renato Ribas Fialho | ANTAQ

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Ireneu Camacho

 XIII Congresso da APLOP | José Luís Cacho

 XIII Congresso da APLOP | Massoxi Bernardo | Porto de Luanda

 XIII Congresso da APLOP | Francisco Martins | Porto de Suape

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Murillo Barbosa

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Abraão Vicente

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Jucelino Cardoso

 XIII Congresso da APLOP | Belmar da Costa | Curso de Introdução ao Shipping

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Piedade | Zona Franca do Dande

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família