Início > Artigo > Coreia do Sul admite abandonar ideia de retomar caça à baleia



Coreia do Sul admite abandonar ideia de retomar caça à baleia


Uma semana depois de a Coreia do Sul ter anunciado a intenção de começar a caçar baleias para fins científicos, Seul diz-se disposta a abandonar a ideia se os cientistas encontrarem uma forma de estudar os cetáceos na natureza, sem os matar.

“Poderemos não caçar baleias para as nossas pesquisas científicas se existir um outro método para atingir o nosso fim”, disse aos jornalistas Kang Joon-Suk, alto-responsável do Ministério da Alimentação, Agricultura, Floresta e das Pescas.

O mesmo responsável tinha anunciado, na quarta-feira passada na 64.ª reunião anual da Comissão Baleeira Internacional (CBI), na Cidade do Panamá, que Seul pretendia começar a caça científica à baleia-anã (Balaenoptera acutorostrata) nas suas águas. Seul alegou uma longa tradição cultural da caça à baleia e a necessidade de avaliar as populações destes animais.

A revelação causou indignação entre os países tradicionalmente contra a caça à baleia, especialmente os Estados Unidos e Nova Zelândia.

A caça comercial à baleia está proibida desde 1986, por uma moratória da CBI, para permitir a recuperação das populações destes cetáceos, ainda que alguns países tenham permissão para uma caça aborígene de subsistência – como acontece no Alasca e Sibéria, por exemplo. Mas hoje só o Japão utiliza a situação de excepção prevista, para fins científicos. E, ao contrário do que acontece para a caça aborígene, esta excepção não precisa de aprovação da CBI.

Kang Joon-Suk disse que a Coreia do Sul vai consultar peritos nacionais e internacionais antes de apresentar um programa detalhado da caça à baleia ao comité científico da CBI, que se irá reunir em Seul em Maio de 2013. “Respeitaremos as recomendações do comité para tomarmos a nossa decisão”, acrescentou.

Actualmente, a Coreia do Sul autoriza a venda da carne das baleias apanhadas acidentalmente nas redes de pesca. Mas o número anormalmente elevado de baleias capturadas “por engano” faz os ambientalistas desconfiarem de que pode haver animais caçados deliberadamente.

fonte
 




Data: 2012-07-15

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XIII Congresso da APLOP | Ireneu Camacho | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Eneida Gomes | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Gonçalves | APDL

 XIII Congresso da APLOP | Ricardo Roque | A Marca APLOP – Novos Caminhos

 XIII Congresso da APLOP | António Santos | Estudo de Mercado dos Portos dos PALOP

 XIII Congresso da APLOP | Dinis Manuel Alves

 XIII Congresso da APLOP | Segundo período de debate

 XIII Congresso da APLOP | Debate

 XIII Congresso da APLOP | Apresentação do Painel 1

 Encerramento do XIII Congresso da APLOP

 XIII Congresso da APLOP | José Renato Ribas Fialho | ANTAQ

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Ireneu Camacho

 XIII Congresso da APLOP | José Luís Cacho

 XIII Congresso da APLOP | Massoxi Bernardo | Porto de Luanda

 XIII Congresso da APLOP | Francisco Martins | Porto de Suape

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Murillo Barbosa

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Abraão Vicente

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Jucelino Cardoso

 XIII Congresso da APLOP | Belmar da Costa | Curso de Introdução ao Shipping

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Piedade | Zona Franca do Dande

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)