Início > Artigo > História do Porto do Namibe



ANGOLA

História do Porto do Namibe


A construção do Porto do Namibe teve início em 1952 e conheceu o termo da sua primeira fase a 24 de Junho de 1954, com a inauguração de uma extensão de 380 metros de Cais acostável, que teve como o objectivo de assegurar o Tráfego marítimo do Sul de Angola, compreendendo o hinterland que cobre as províncias de Namibe, Huíla, Cuando Cubango e Cunene.

Actualmente é a maior infraestrutura portuária desta região e a terceira do País.

A História do Porto do Namibe está intimamente liga a história da ocupação de Angola, nos anos subsequentes à 1954 até 1962 o Porto do Namibe foi conhecendo obras de ampliação, chegando a ter uma extensão de 875 metros subdivididos em:

480 metros com fundos na ordem dos 10,5 m, destinados à navegação de longo curso;
130 metros com fundos na ordem dos 6 m, destinados à cabotagem e longo curso;
265 metros com fundos na ordem dos 3 m, destinados à cabotagem de embarcações de tráfego local.

Como infraestrutura terrestre, dispunha de uma área coberta de 7.200 m² dividida em dois amplos armazéns de dois corpos cada, tendo um deles uma pequena câmara destinada à armazenagem de carne congelada. Existia ainda uma área pavimentada para armazenagem a descoberto, com cerca de 30.000 m².

Com o desenvolvimento e exploração de projectos Minérios e não só, na região sul de Angola, foi concebido a construção do Porto Mineraleiro, que conheceu o seu término em meados de 1967, tendo sido baptizado por Porto Mineraleiro Salazar, possuindo uma ponte cais constituída por uma laje contínua de betão pré-esforçado com as dimensões de 325X18 metros, assente sobre fiadas estacas, seguindo-se uma outra zona constituída por laje de 200X12 metros, criando um posto de acostagem com fundos de 10 m, destinados a petroleiros.
Este destinava-se quase exclusivamente ao embarque de minério e à descarga de combustível. Além disso, dispunha de um carregador de navios (Shiploader) com altura de 33 metros equipado com uma lança telescópica com avanço de 23 metros, permitindo carregar os maiores navios existentes no mundo ou em construção, a cadência de 4.000/5.000 toneladas por hora.

Em Outubro de 1971 teve lugar o carregamento máximo, mensal, de 773.233 toneladas de minério; e, no mesmo ano registou-se o carregamento de 152.603 toneladas, a maior tonelagem exportada nesse ano – em um só navio japonês «Niizuru Maru» que desde então constituiu record mundial.

Quer o Porto comercial, quer o Mineraleiro tem como vias de acesso rodoviário e ferroviário cuja linha férrea penetra 765 km no interior de Angola.

VEJA A GALERIA DE FOTOS




Data: 2024-05-03

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XIII Congresso da APLOP | Ireneu Camacho | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Eneida Gomes | ENAPOR – Portos de Cabo Verde

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Gonçalves | APDL

 XIII Congresso da APLOP | Ricardo Roque | A Marca APLOP – Novos Caminhos

 XIII Congresso da APLOP | António Santos | Estudo de Mercado dos Portos dos PALOP

 XIII Congresso da APLOP | Dinis Manuel Alves

 XIII Congresso da APLOP | Segundo período de debate

 XIII Congresso da APLOP | Debate

 XIII Congresso da APLOP | Apresentação do Painel 1

 Encerramento do XIII Congresso da APLOP

 XIII Congresso da APLOP | José Renato Ribas Fialho | ANTAQ

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Ireneu Camacho

 XIII Congresso da APLOP | José Luís Cacho

 XIII Congresso da APLOP | Massoxi Bernardo | Porto de Luanda

 XIII Congresso da APLOP | Francisco Martins | Porto de Suape

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Murillo Barbosa

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Abraão Vicente

 XIII Congresso da APLOP | Cerimónia de Abertura | Jucelino Cardoso

 XIII Congresso da APLOP | Belmar da Costa | Curso de Introdução ao Shipping

 XIII Congresso da APLOP | Joaquim Piedade | Zona Franca do Dande

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)